Dicas legais

Aqui dividiremos com você o que achamos interessante por aí... de qualquer área.
E se você quiser dividir algo com a gente... fique à vontade!

Bom, para começar achamos no link da Revista Crescer uma série de perguntas e respostas sobre reciclagem. Geramos uma quantidade de lixo tão grande e esse é um problema tão sério atualmente que vale a pena divulgar...

Como descartar corretamente as bandejas de isopor?
Uma das soluções seria descartá-las como lixo reciclável. Há alguns postos que recolhem o isopor, mas o mercado para essa reciclagem ainda é muito restrito. Composto por plástico, e com mais de 95% de ar, o isopor ocupa muito volume, o que encarece o transporte e, portanto, o processo de reciclagem.

O melhor a fazer é reduzir a quantidade deste material (comprar vegetais a granel e não aqueles embalados, por exemplo) ou reutilizá-lo em casa o máximo de vezes possível. Ou seja, além de reduzir, reutilizar e reciclar - os chamados "três erres" - recusar também é um gesto a favor do meio ambiente.

O que faço com o óleo de cozinha usado?
A recomendação é nunca jogá-lo no ralo da pia. Uma das maneiras de descarte é colocá-lo em um saco plástico e jogá-lo no lixo reciclável, ou então, depositar o restante do óleo em garrafas PET e enviar para instituições que produzem sabão e detergente. Em Santo André, na Grande São Paulo, a Triângulo é uma das instituições que recolhe este tipo de material.

Posso utilizar as sacolas de supermercado para forrar as lixeiras em casa?
A melhor solução seria forrar as lixeiras com jornal, pois o uso do plástico deve ser reduzido, por ser um material muito difícil de ser degradado.

Mas, se você não tem jornais em casa, tanto faz usar as sacolas de supermercados quanto aqueles específicos para lixo. Porém, é preciso estar atento ao uso racional deste produto, para que não exista desperdício. Uma dica é não exagerar ao trazer as sacolas do supermercado, pois algumas acabam se rasgando e, assim, são inutilizadas. Vale lembrar, também, que os sacos específicos para lixo costumam ser mais resistentes e, em alguns casos, feitos de outros materiais plásticos mais nobres.

Qual é a maneira correta de lavar as embalagens recicláveis e evitar o desperdício de água?
O ideal é aproveitar a água da lavagem da louça ou a água quente do cozimento do arroz ou do macarrão, por exemplo, que seria descartada. Também é recomendado deixar as embalagens de ponta cabeça (como as caixas longa vida) para que parte dos resíduos escorra naturalmente, facilitando a limpeza. Evite, também, encher toda a embalagem de água. Apenas uma parte já é suficiente. Outro alerta é não usar sabão na higienização, pois durante o processo de reciclagem, os materiais passarão por outra lavagem mais completa.

Como embalar corretamente os vidros quebrados?
O correto é descartá-los no lixo destinado à reciclagem e embalá-los em jornal, papelão, plástico ou outros materiais para evitar que o coletor se machuque durante o manuseio dos produtos.

Onde descartar pilhas e baterias?
A melhor solução é consultar os fabricantes sobre a possibilidade de devolução (atualmente, muitos já fazem esse recolhimento) ou descartá-las em postos de coleta, como alguns bancos e supermercados. Outra recomendação é a utilização de pilhas recarregáveis, que são mais caras, mas duram mais tempo. Evitar a compra de pilhas e baterias ilegais também é indicado, pois elas podem conter índices elevados de metais que, se jogados na natureza, podem danificá-la.

Se descartadas em lixo comum, há perigo das pilhas contaminarem os solos. A exceção são aquelas encaminhadas para aterros licenciados, o que não é o caso de todas as cidades brasileiras (muitas contam apenas com lixões).

Se eu quebrar um termômetro em casa, o que devo fazer?
O mercúrio existente no termômetro é um metal pesado que, se acumulado na natureza, pode contaminar a água e os solos. Portanto, apesar de não existir um procedimento oficial, evite jogá-lo diretamente no lixo comum ou reciclável e verifique com farmácias ou hospitais a possibilidade de recolhê-los.

Qual a melhor maneira de descartar as lâmpadas fluorescentes usadas ou quebradas?
O mercúrio presente nas lâmpadas é um metal altamente tóxico e bastante volátil, que pode contaminar o solo, os animais, as águas e os seres humanos. Para evitar possíveis impactos ao meio ambiente, a melhor solução é a reciclagem. Mas, para isso, é preciso contatar instituições que recolhem este produto. No Brasil, alguns exemplos são a Brasil Recicle e a Apliquim.

Após o uso, as lâmpadas devem ser acondicionadas nas caixas originais do fabricante, de modo a facilitar o transporte, e armazenadas em local seco e de fácil acesso para ser efetuada a coleta. Já as lâmpadas quebradas deverão ser acondicionadas em tambores hermeticamente fechados. Nunca quebre a lâmpada para acondicioná-la, pois ela libera vapor de mercúrio.

Referência: http://revistacrescer.globo.com/